Envelhecer com Síndrome de Down

Um motivo para comemorar é que nos últimos anos a expectativa de vida de uma pessoa com Síndrome de Down aumentou muito. Segundo Agustín Matía, gerente da Federação Down Espanha, nos últimos 30 anos a expectativa subiu 2,7 anos de vida por ano. Entre as mudanças que ocorreram devido a esse fato é a maior necessidade de médicos capacitados para lidar com pessoas com Síndrome de Down que atingem uma vida idade mais avançada. Hoje, além de pediatras, há uma demanda por clínicos gerais e geriatras que estejam aptos para cuidar de pessoas que possuem a trissomia do cromossomo 21.

Outra mudança significativa que envolve envelhecer com Síndrome de Down é aprender a lidar com as doenças que podem aparecer aos 40 e 50 anos. Atualmente, estão sendo realizadas pesquisas para compreender o porquê doenças como a Alzheimer aparecem mais cedo em indivíduos com a Trissomia do Cromossomo 21. Cientistas estão tentando descobrir qual é a conexão do cromossomo 21 com o avanço dessas doenças em um período precoce, quando comparadas a pessoas que não apresentam a mesma deficiência cognitiva. 

No blog de hoje vamos abordar quais são as doenças mais conectadas ao fato de envelhecer com Síndrome de Down. O texto tem como fonte principal o guia sobre envelhecimento de pessoas com Sìndrome de Down da National Down Syndrome Society (NDSS). É importante ressaltar que estão sendo realizadas pesquisas sobre esse tema e há muito para ser descoberto ainda. 

Hipotireoidismo

A doença pode resultar em cansaço, flutuações no peso e irritabilidade. Para saber se uma pessoa possui hipotireoidismo, é necessário fazer um exame de sangue. Consulte um médico para saber de quanto em quanto tempo é recomendado que você realize o teste.  

Apneia de Sono

A apneia do sono pode ser percebida com a repetição excessiva de roncos, sono de manhã, muita preguiça ao acordar, cochilos em sequência e sono fragmentado/intermitente. A apneia quando não diagnosticada pode gerar irritabilidade, tensão arterial e pulmonar e/ou pressão alta. Para diagnosticar essa doença é necessário realizar um teste do sono, em que o paciente passa uma noite no hospital sendo monitorado por aparelhos. 

Artrose

Outro sintoma comum ao envelhecer com Síndrome de Down é a artrose, que é um tipo de artrite que ocorre com o desgaste do tecido flexível das extremidades dos ossos. Isso não é raro em pessoas com a Trissomia do Cromossomo 21 já que por eles serem mais “molinhos”, ocorre um desgaste maior das juntas dos joelhos, quadris, etc. A obesidade também é um fator que promove a maior corrosão desse tecido.

Osteoporose

Essa doença ocorre quando os ossos ficam mais frágeis, ou seja eles se tornam mais quebradiços. A osteoporose pode ser diagnosticada via densitometria óssea. Consulte o seu médico para saber se é necessário realizar o exame. Um ponto que colaborar na prevenção da doença é o exercício físico. 

Doença celíaca

Entre as doenças que envolvem envelhecer com Síndrome de Down, uma delas é a doença celíaca, que é quando o organismo do indivíduo não consegue digerir o glúten. Essa doença é muito séria pois pode danificar o aparelho digestivo do paciente e também impedir a absorção de nutrientes. O diagnóstico é feito a partir de um exame de sangue e também uma biópsia de uma amostra do intestino. 

Alzheimer

Alzheimer é uma doença que afeta a memória da pessoa. Isso significa que ela pode esquecer fatos recentes, ou talvez não lembrar o caminho para um lugar, ou ter dificuldade de exercer a independência no geral. A Alzheimer é uma doença muito estudada em relação ao ato de envelhecer com Síndrome de Down pois ela ocorre aos 40 e 50 anos em pessoas com a Trissomia do Cromossomo 21. Enquanto em pessoas sem a trissomia, ela costuma ocorrer depois dos 60 anos.

Como a lista de doenças que podem acometer uma pessoa ao envelhecer com Síndrome de Down é variada. Ou seja, depende de diferentes médicos para serem diagnosticadas e medicadas, é muito importante que ocorra o controle de todos os medicamentos e também que todos os profissionais da saúde envolvidos nesse processo estejam cientes de todos os remédios que a pessoa com a Trissomia do Cromossomo 21 faz uso.

Foto de capa: Cliff Booth via Pexels

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Font Resize